Recomeçar

14 fevereiro 2019


Há momentos em que as coisas que fazemos com enorme vontade e que, de certa forma, até se tornaram uma parte da maneira como nos vemos, acabam por se perder no meio das rotinas e passam para segundo, terceiro, quarto... décimo plano na nossa vida. Quando nos apercebemos disso, há já uma enorme barreira a nos impedir de começar, uma inércia para voltar a arrancar com algo que, supostamente, para nós devia ser tão natural como respirar. E torna-se mais difícil, quanto mais tempo deixamos passar. Uma coisa é termos parado 1 semana de fazer algo que fazíamos diariamente, outra é parar 1, 2, 3... 10 meses. Olhamos para o tempo que passou como uma "pseudo confirmação" de que aquela característica já não nos pertence, apesar de uma parte de nós ainda sentir que sim.
Isto tudo para "resumir" a minha relação com a fotografia. Apesar de, desde que me lembro, gostar da arte da fotografia, só há cerca de 5 anos é que me comecei a dedicar mais "à séria" ao assunto, a estudar as máquinas, a forma de tirar fotos, a edição das mesmas, etc. Foi uma paixão que foi crescendo ao ponto de trabalhar com fotografia de forma quase diária, fosse no processo de captura ou de edição. Interiormente, sentia que a fotografia era uma forma de identidade e, talvez por isso, senti-me bastante perdido quando a dedicação à mesma se foi perdendo nos dias da vida. Foi um processo gradual, mas consigo ter uma visão clara da diminuição da frequência com que me dedicava à fotografia, cheguei mesmo a passar meses sem pegar na máquina.
Este ano, ao fazer uma pausa e refletir sobre as coisas que quero, ou não, para a minha vida, dei por mim a sentir falta da criação fotográfica na minha vida, de explorar a minha criatividade através da lente. Não através de desafios ou coisas do género, mas a partir de uma vontade genuína de capturar a minha visão, de a manipular e partilhar o resultado do que vem de dentro. 
Decidi dar uma nova chance ao meu "eu fotógrafo". Uma chance para me voltar a apaixonar por esta arte. Uma tentativa de voltar a olhar para o mundo com a curiosidade de o capturar. Decidi pegar na máquina sem pressões e fazer aquilo que adoro desde que me lembro.
Decidi recomeçar.









E por aqui, qual é aquela paixão que deixaram de lado, mas gostavam de voltar a pegar?

Beijinhos e abraços, Artur.

7 comentários:

  1. Entendo-te - acontece-me o mesmo. Mas por norma quando volto a pegar na minha bicha a coisa flui como se nunca tivesse parado. É como andar de bicicleta! Boas aventuras!

    Jiji

    ResponderEliminar
  2. É sempre maravilhoso recomeçar projetos que nos enchem o coração! E acho que, por vezes, precisamos desse afastamento para amadurecemos a ligação que temos a determinadas paixões

    ResponderEliminar
  3. Não é a vida feita de recomeços?
    Que bonito que este é.

    ResponderEliminar
  4. Também a paixão pela fotografia. Um bocado por falta de tempo e conhecimentos.

    ResponderEliminar
  5. Bonito post as fotos sao de uma beleza woaunh bjs

    ResponderEliminar
  6. Estamos sempre a tempo de recomeçar. Parabéns pela decisão. Gostei mto das fotos, sobretudo da última da lista.

    A dança e o canto.

    Abraços e boa semana, Artur!

    ResponderEliminar

Palavreiro(a), vai em frente, partilha connosco as tuas palavras :)